Beneficios da Glutamina

Glutamina melhora a imunidade e previne a fadiga nos treinos intensos

Suplemento deste aminoácido pode ser bom para pacientes com câncer, portadores do vírus HIV e pessoas com problemas digestivos

A glutamina ajuda a melhorar a imunidade - Foto: Getty Images
A glutamina ajuda a melhorar a imunidade

A glutamina é o aminoácido livre mais abundante no plasma e no tecido muscular. É classificada como um aminoácido não essencial, uma vez que pode ser sintetizada pelo organismo a partir de outros aminoácidos. Nosso organismo também utiliza a glutamina para o transporte de amônia e nitrogênio pela corrente sanguínea, e é por esse motivo que é necessário manter sempre constante a quantidade de glutamina no sangue. 

Suas principais funções estão relacionadas com as reações de produção de energia, atua como combustível para o sistema imune e para os enterócitos (células do intestino). O suplemento de glutamina é bom para quem pratica exercícios, pacientes com câncer, portadores do vírus HIV e muitos estudos apontam que também é interessante para pessoas com problemas digestivos. 

Benefícios comprovados da glutamina

Bom para quem pratica exercícios: A glutamina é interessante para atletas que possuem um programa com um treinamento muito intenso e prolongado. Nestes casos, o atleta sem a suplementação pode não ter uma recuperação adequada, causando uma fadiga persistente. Essas situações apresentam alto nível de estresse ao organismo, o qual fica suscetível ao maior risco de lesão tecidual. 

Estes problemas podem ocorrer porque durante a prática exercício de alta intensidade e longa duração ocorrem microlesões no tecido muscular que interferem diretamente no equilíbrio do sistema imunológico. Nesse caso, a concentração plasmática da glutamina é reduzida e existe a necessidade de uma reposição oral desse nutriente a fim de evitar uma depleção do sistema imune do indivíduo, melhorando então a sua recuperação após os treinos e evitando o desgaste no organismo e até melhorando a resistência da célula a lesões. 

Bom para pacientes com câncer: Geralmente os pacientes com câncer ficam debilitados, seja pela própria doença ou pelas reações à quimioterapia e seus efeitos colaterais que estão relacionados a sintomas como inapetência, náuseas, vômitos e diarreias e causam uma depressão imunossupressora e alto estresse oxidativo. 

A glutamina é boa para quem está em tratamento de câncer - Foto: Getty Images
A glutamina é boa para quem está em tratamento de câncer

Diante deste quadro, ocorre a redução dos níveis da glutamina plasmática, sendo então necessária realizar uma reposição deste aminoácido. Além disso, alguns estudos indicam uma relação entre a glutamina e o crescimento da mucosa intestinal, reduzindo então os danos ocorridos pela alteração da absorção e da permeabilidade da barreira intestinal, ocasionadas pela quimioterapia, o que leva ao quadro de diarreia. 

Bom para portadores do HIV: Pacientes portadores do vírus HIV sofrem uma depleção grave no sistema imunossupressor, deixando o indivíduo desprotegido e susceptível a infecções e a contrair outros vírus. Nesse caso, a suplementação de glutamina deve ser essencial para amenizar essa depressão imune causada pelo vírus.  

Benefícios em estudo

Bom para pacientes com problemas digestivos: O suplemento de glutamina pode ser benéfico para pessoas com problemas digestivos, como úlceras, colite e doença de Crohn. Isto porque a suplementação com glutamina auxilia na boa saúde intestinal, com uma ação reparadora na mucosa, pois este aminoácido serve como principal fonte energética para as células da mucosa probiótica e certas células imunes, timócitos, linfócitos e macrófagos. Sem glutamina suficiente, pode ocorrer prejuízo na função imunológica e atrofia das células intestinais. A glutamina é muito importante para o restabelecimento do equilíbrio intestinal. Contudo, ainda são necessários mais estudos para comprovar o quão benéfica a glutamina pode ser para pacientes com problemas digestivos. 

 

Boa para pacientes em tratamento do alcoolismo: Alguns estudos científicos sugerem que a suplementação de alguns aminoácidos, como a glutamina, a fenilalanina e o triptofano, podem induzir a produção de neurotransmissores que seriam capazes de amenizar os danos ao sistema nervoso causado pela abstinência no tratamento do alcoolismo. 

 

Quem pode consumir

A suplementação com a glutamina costuma ser orientada em pessoas que passam por situações que causam um estresse intenso ou depleção do sistema imunossupressor. Nesses casos, pode ocorrer um déficit de glutamina no organismo e a suplementação é recomendada. 

Esses problemas acontecem com a prática de exercício acentuada levando ao overtraining, em casos de algumas doenças infecciosas ou inflamatórias ou traumas que desencadeiam uma depleção no sistema imune.  

É importante ressaltar que a suplementação de glutamina só pode ser indicada por um nutricionista ou médico. Pessoas saudáveis e que não praticam exercícios muito intensos não necessitam da suplementação de glutamina, pois o organismo já produz quantidades suficientes desta substância. 

Como consumir

A glutamina em pó costuma ser a mais orientada pelos nutricionistas e médicos especializados Para esportistas a recomendação é ingerir a glutamina no pós-treino e antes de dormir. Vale combinar carboidratos simples, como frutas e mel, com o consumo da glutamina. Isto porque esses alimentos potencializam os benefícios do suplemento, pois aumentam os níveis de insulina e consequentemente aceleram a entrada de glutamina nas células musculares, contribuindo para uma recuperação mais rápida. 

É importante destacar que o consumo de glutamina deve ser orientado somente pelo nutricionista ou médico especializado, educadores físicos não podem fazer essa recomendação. 

Quantidade recomendada

A glutamina é boa para portadores do vírus HIV - Foto: Getty Images
A glutamina é boa para portadores do vírus HIV

É o seu nutricionista ou médico que irá determinar a quantidade de glutamina que pode ser ingerida. Contudo, a dose mínima de glutamina geralmente é de 10 a 15 gramas por dia, dividida em três doses. 

Precauções ao consumir

Antes de ingerir o suplemento de glutamina, vale verificar sua composição discriminada no rótulo e se o laboratório em que foi produzido cumpre as legislações higiênicas e sanitárias estipuladas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária e se possui registro neste órgão. 

É importante manter uma alimentação balanceada. Nenhum nutriente consegue suprir todas as necessidades nutricionais do nosso organismo isoladamente. Assim, para que o metabolismo funcione de forma efetiva e o organismo se mantenha de forma saudável, uma alimentação equilibrada, em quantidade suficiente, e rica em vitaminas e minerais, é sempre essencial. 

Riscos ao ingerir em excesso

Não existem estudos científicos comprovando uma toxidade por glutamina. Porém, por se tratar de um aminoácido livre mais abundante no sangue, um excesso do consumo deste pode ocasionar algum dano renal, portanto, seu uso não deve ser feito de forma indiscriminada. 

Combinações

Whey protein + glutamina: A combinação entre whey protein e glutaminaé benéfica para ajudar na manutenção e crescimento muscular. 

Interações

A interação da glutamina com outras substâncias ainda não está clara na literatura médica. Por isso, é importante informar o seu médico ou nutricionista sobre qualquer outro medicamento ou suplemento que você esteja consumindo. 

Fontes consultadas:

Nutricionista Inari Ciccone, especializada em nutrição esportiva e consultora da Associação Brasileira de Indústria de Alimentos Dietéticos.
Nutrólogo Euclésio Bragança, fundador da Integralmédica.  

Pague com
Selos
  • Site Seguro

RS Suplementos - CNPJ: 13.688.357/0001-56 © Todos os direitos reservados. 2018

Fale Conosco pelo WhatsApp